Conjunto Xingu, quadra 4, casa 82, entre WE 12 e Av. Secundária

O Projeto Camapu é um espaço que se dedica a pesquisa, experimentação, formação, e difusão da arte do marionetismo em Belém, gerido por Sam Rodrigues, responsável pelos estudos de construção e manipulação de marionetes, e Nina Brito, que cuida da construção de cenários móveis e suas implicações cenotécnicas. Desde sua aquisição, na década de noventa, a casa-sede deste projeto também funciona como atelier, cujas práticas artísticas estavam voltadas para o comércio de varejo. Em 2008, no entanto, assume uma postura artística menos industrial, sendo nomeada Experiacto, lugar de experimentação e estudos de cenografia clássica. Somente em 2011 foi que Nina e San assumiram o teatro de marionetes como foco de pesquisa e expressão artística, que culminou na criação poética de seu primeiro espetáculo dois anos depois, em 2013. Assim, o atelier cedeu um lugar para o funcionamento de um espaço cênico chamado Teatro Roc Roc. A iniciativa recebeu o nome de Projeto Camapu e abraçou toda a sede do que antes era o Experiacto Atelier. O Teatro Roc Roc é um espaço de resistência cultural com capacidade para 40 pessoas, onde se estabelece uma prática teatral focada na disciplina, no respeito às tradições, e no compartilhamento de práticas, saberes e afetos. Por si só, devido sua fachada entre casas habitacionais e o inusitado que suas instalações proporcionam aos olhos, leva a uma reflexão a respeito do papel fundamental que um empreendimento artístico representa para uma comunidade localizada na confluência de quatro bairros de Belém: Cabanagem, Coqueiro, Parque Verde e Nova Marambaia, região comumente conhecida como Jardim Sideral, um populoso aglomerado suburbano proveniente de uma antiga invasão às margens do Rio Ariri, afetada por altos índices de violência, precariedade de vida e de serviços públicos.

 

ARTISTAS-GESTORES:

Sam Rodrigues
Marionetista, construtor de marionetes de fio, iniciou-se na marcenaria como aprendiz do mestre Sandoval de Sarges, sendo membro da quinta geração desse ofício. Iniciou sua carreira profissional em outras cidades, trabalhando como cenógrafo de produtos, merchandising, vitrinismo e publicidade no ano de 1987, onde se iniciou no universo da criação cenográfica e desenvolvimento de espaços temáticos. Atualmente, residindo em Belém, desde o ano de 2008, além de trabalhar como produtor na Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves, vem se dedicando à arte cênica local. Realizou trabalhos cenográficos aplicados ao universo do teatro e da música, desenvolvidos no Experiacto Atelier, do qual é fundador juntamente com a arquiteta Nina Brito. Suas pesquisas com marionetes se iniciaram em 2011. Seu oficio de tradição familiar (marcenaria) e sua pesquisa literária encontraram terreno fértil nesse universo, por isso atualmente se dedica prioritariamente ao que chama de marionetismo. Em 2013, fez parte do coletivo de artistas que fundou o Projeto Camapu, espaço cultural onde se estuda, desenvolve e pratica o teatro através de marionetes de madeira. Desde então participa de todas as peças, performances e iniciativas que ocorrem no Projeto Camapu, entre elas, a peça Borbô, montada em 2015, e O Jardim de Alice (2016). Seu trabalho mais recente, O Conto das Duas Ilhas, recebeu o prêmio Myriam Muniz de Teatro de 2015, concedido pela Funarte e Ministério da Cultura, que foi montado no início de 2017 com apresentações no espaço teatral do Projeto Camapu, o Teatro ROC ROC. Atualmente, também desenvolve um laboratório voltado para a pesquisa e pratica de marionetismo no Núcleo de Oficinas Curro Velho com o objetivo de propagar a prática dessa arte e conquistar adeptos.

 

Nina Brito
Arquiteta e cenógrafa formada pela UFPA e pela ETDUFPA, respectivamente. Atua como cenógrafa e cenotécnica em espetáculos de teatro, dança e música desde 2008, e no Teatro Experimental Waldemar Henrique, como assistente cultural. Em 2012, atua no Núcleo de Oficinas da Fundação Curro Velho, onde começou a experimentar o uso de materiais recicláveis para a confecção de objetos artísticos (formas animadas e adereços para cena). Desenvolve trabalhos de pesquisa e experimentação para cenografia de teatro de marionetes no Experiacto Atelier, a qual foi uma das fundadoras, em parceria com o cenógrafo San Rodrigues, dando inicio, em 2013, ao Projeto Camapu, situado na periferia do Jardim Sideral, com a apresentação da peça de bonecos intitulada O Conto de Natal, que atraiu boa parte do público infanto-juvenil da comunidade. Nos anos seguintes dedicou-se a construção de cenografia para marionetes utilizando como recurso a madeira e estudando a possibilidade do espaço cênico mutável, vistos nos espetáculos Borbô (2015) e O Jardim de Alice (2016). Em fevereiro de 2017, no espetáculo premiado pela Funarte Myriam Muniz 2015 O Conto das duas Ilhas, experimentou as possibilidades da prática da cenografia mutável no universo de marionetes e nas animações quadro a quadro (stop motion), além de iniciar o exercício de manipulação de marionetes.

 

Linls:

Fanpage Facebook Perfil I
Fanpage Facebook Perfil II
Fanpage Facebook Perfil III
Portas abertas para arte com o Projeto Camapu: experiência de criação
Holofote virtual: Projeto Camapu prepara “O conto das duas ilhas”
ORMNews – Projeto Camapu realiza apresentações com marionetes
Fotos – Projeto Camapu – Behance

 

Vídeos:


Fotos:

« 2 de 7 »